#

← scroll down

3 milhões de contas de WhatsApp foram clonadas no Brasil. Como saber se está em perigo?

Notícia publicada no Sapo TEK a 14 de Agosto de 2020.
A empresa de cibersegurança PSafe indica que, em julho, registou uma redução no número de contas de WhatsApp clonadas no Brasil. No entanto, o fenómeno não deixa de ser preocupante e pode alastrar-se a outros países. Se é um utilizador ativo da aplicação de mensagens, saiba que medidas extra de segurança deve ter em conta.

Os mais recentes dados do dfndr lab, o laboratório digital da empresa de cibersegurança PSafe, revelam que, em 2020, mais de 3 milhões de contas de WhatsApp foram clonadas no Brasil. Os dados avançados pela imprensa brasileira detalham que julho foi o mês em que menos utilizadores foram atacados, registando em média 340 mil vítimas. Os especialistas avançam que o valor representa uma redução de 18% face a julho de 2019.

A clonagem envolve o acesso a uma determinada conta de WhatsApp através de um smartphone ou computador que não seja o do utilizador principal. Embora os cibercriminosos consigam fazê-lo ao roubar as credenciais de outras pessoas que estejam num equipamento, uma das estratégias mais comuns é a do envio de links.

Os hackers enviam mensagens às vítimas onde prometem prémios ou supostas atualizações. Em troca, os utilizadores veem-se obrigados a enviar o seu código de autenticação do WhatsApp. Ao fazê-lo, as vítimas estão a dar acesso privilegiado aos cibercriminosos à sua conta.

 

O que fazer se a sua conta de WhatsApp foi clonada e como protegê-la?

É verdade que o fenómeno da clonagem de contas de WhatsApp é particularmente comum no Brasil, mas, tendo em conta as facilidades trazidas pelos meios digitais, é possível que se alastre para outros países. Assim, se é um utilizador ativo da aplicação de mensagens, é recomendável ter em conta medidas extra de segurança.

De acordo com os especialistas da PSafe, existem alguns sinais que permitem perceber se já é uma vítima da estratégia dos cibercriminosos. Entre eles estão o envio automático de mensagens estranhas a partir da sua conta, o aparecimento de aplicações que não instalou, o consumo de bateria excessivo, o súbito sobreaquecimento do smartphone ou até mesmo uma lentidão a nível do funcionamento do sistema.

Instalar um software de segurança no equipamento e ativar a autenticação de dois fatores é uma medida essencial para evitar que seja atacado. Deve verificar se a sua conta está aberta em outros dispositivos através do WhatsApp web, por exemplo, e confirmar se os seus contactos  receberam notificações de que o seu número de telemóvel mudou. Manter-se sempre desconfiado em relação aos links que recebe através de mensagens e não clicar em endereços suspeitos é recomendável.

Mas o que fazer se a sua conta foi, de facto, clonada? Neste caso, o melhor a fazer é mitigar as consequências do ataque e mudar todas as palavras-passe que usa no smartphone, acedendo às contas através de um terminal mais seguro. Além de seguir todas as recomendações de segurança anteriores, deverá também fazer uma limpeza aprofundada ao equipamento, optando por um reset de fábrica para eliminar todas as aplicações maliciosas.

codefive